Exercícios sobre sujeito simples, composto e desinencial com interpretação (1ºano do ensino médio)


1. Leia os poemas a seguir. 

Happy end 

o meu amor e eu 
nascemos um para o outro 
agora só falta quem nos apresente 

Cacaso. Poesia marginal. São Paulo: Ática, 2006. (Coleção Para Gostar de Ler). v. 39. p. 16. 

Os poemas 

Os poemas são pássaros que chegam 
não se sabe de onde e pousam 
no livro que lês. 
Quando fechas o livro, eles alçam voo 
como de um alçapão. 
Eles não têm pouso 
nem porto 
alimentam-se um instante em cada par de mãos 
e partem. 
E olhas, então essas tuas mãos vazias, 
no maravilhoso espanto de saberes 
que o alimento deles já estava em ti... 

Mario Quintana. Esconderijos do tempo. São Paulo: Globo, 2005. p. 27. 

A respeito do poema de Cacaso, responda. 

a) Em sua opinião, por que o poema é intitulado "Happy end"? 
b) O poema fala de duas pessoas. Copie as palavras que são usadas para se referir a elas. 
c) Copie a palavra que exprime a ação realizada por essas duas pessoas. 

Interpretação de fábula com respostas - A cigarra e as formigas (7ºano)

Imagem: Google

A cigarra e as formigas. 

Era uma vez uma jovem cigarra que não fazia outra coisa na vida a não ser cantar. 
Entoava as mais lindas canções perto de um formigueiro. 
Enquanto isso, as formigas trabalhavam sem parar. 
Colhiam pedaços de folhas para forrar o berçário das formigas recém-nascidas. Transportavam grãos para que no inverno tivessem o que comer. Enfim, viviam atarefadas, entrando e saindo do formigueiro. 
O inverno chegou. O frio era tanto que a cigarra quase ficou congelada. 
Então, bateu na porta do formigueiro à procura de um lugar quentinho para se abrigar. 
— Olá! Será que eu posso entrar? Estou com frio e com fome! 
A guardiã do formigueiro não se conteve: 
— O quê? Enquanto nós trabalhávamos duro, você só pensava em se divertir. Pois agora: boa diversão! —  disse. 
E bateu a porta na cara da cigarra, que foi obrigada a cantar em outra freguesia. 

Moral da história: Os preguiçosos nada têm a colher. 

Jean de La Fontaine. Fábulas de Esopo. Adaptação de Lúcia Tulchinski. São Paulo: Scipione, 2004. p. 13. 

Glossário 
Entoar: fazer ouvir, cantando.
Guardião: No texto, quer dizer formiga que protege o formigueiro.

1. Responda. 

a) O narrador dessa fábula é também um personagem? Por quê? 
b) De acordo com a fábula, para que as formigas armazenaram comida? 
c) A cigarra fez o mesmo? Por quê? 
d) Que consequências isso trouxe para ela?

Sugestão de projeto interdisciplinar: Escritoras brasileiras e a condição feminina no Brasil

Imagem: Google

LITERATURA - HISTÓRIA - GEOGRAFIA
Tema: Escritoras brasileiras e a condição feminina no Brasil

Para iniciar, fazer um levantamento da percepção dos alunos quanto à condição da mulher no Brasil atual. Comentar que, embora as mulheres tenham obtido muitas conquistas, principalmente no século XX, ainda não se pode falar em completa igualdade de gênero. Citar, por exemplo, a violência doméstica (a cada 5 minutos uma mulher é agredida no país, e em 70% dos casos o agressor é o companheiro, segundo dados de 2012 do Ministério da Justiça) e a diferença salarial entre os sexos (mulheres recebem cerca de 30% menos do que os homens, segundo o Censo 2010 do IBGE).
Resgatar, com os alunos, alguns fatos históricos representativos da emancipação feminina no Brasil, como o direito ao voto em 1932, o advento do contraceptivo oral (pílula) na década de 1960, a Lei Maria da Penha em 2006, a eleição da primeira mulher para a Presidência da República em 2010. Sugerir que pesquisem na internet uma lista mais extensa de fatos. Abaixo há uma breve cronologia, arbitrária, de alguns desses acontecimentos no Brasil.

1827: Lei permitindo que mulheres frequentassem as escolas elementares.
1879: Autorização do governo para que mulheres cursassem o ensino superior.
1927: Eleição da primeira prefeita brasileira: Alzira Soriano de Souza, de Lages (RN).
1932: Getúlio Vargas promulga o novo Código Eleitoral, que garante o direito de voto às mulheres brasileiras.
1933: Eleição, para a Assembleia Constituinte, da primeira deputada, a paulista Carlota Pereira de Queiroz.
1979: Eunice Michilles é a primeira senadora do Brasil, por falecimento do titular da vaga.
1985: Primeira "Delegacia da Mulher" (Delegacia de Atendimento Especializado à Mulher), no estado de São Paulo. Outros estados seguem o exemplo.
1996: Nélida Piñon é a primeira mulher a presidir a Academia Brasileira de Letras.
1997: Crescimento da presença feminina em cargos públicos legislativos e executivos: 7% das cadeiras da Câmara dos Deputados; 7,4% do Senado; 6% das prefeituras brasileiras.
2010: Eleição de Dilma Rousseff, primeira presidenta do Brasil, 78 anos depois da conquista do voto feminino.

Fonte dos dados: HISTÓRIA Digital. 25 conquistas das mulheres no Brasil.  

Levar os alunos a perceber que, simultaneamente aos acontecimentos coletivos, dão-se as trajetórias dos indivíduos. Lembrar que muitas mulheres lutaram e lutam por direitos iguais, entre elas as escritoras.
Mais uma vez, propor que façam uma pesquisa, dessa vez sobre escritoras brasileiras. Comentar com eles que hoje em dia há muitas autoras famosas, mas que em outros tempos a manifestação literária das mulheres sofreu limitações e entraves, em razão do preconceito e da opressão.
Apresentamos, a seguir, uma lista, também arbitrária, de algumas escritoras brasileiras, do século XIX até a atualidade. A primeira parte é composta de autoras menos conhecidas, por isso fornecemos uma "minibiografia" de cada. A segunda parte é composta de escritoras renomadas.