Interpretação de poema modernista - Os ombros suportam o mundo (Drummond)

O poema a seguir foi escrito por  Carlos Drummond de Andrade e encontra-se no livro Sentimento do mundo, de 1940. Nos poemas desse livro, o senso de humor e a ironia, que são uma constante em textos anteriores, dão lugar a um olhar pessimista por conta da impossibilidade de reagir diante da realidade que o angustia. 


Os ombros suportam o mundo 
Carlos Drummond de Andrade 

Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus. 
Tempo de absoluta depuração. 
Tempo em que não se diz mais: meu amor. 
Porque o amor resultou inútil. 
E os olhos não choram. 
E as mãos tecem apenas o rude trabalho. 
E o coração está seco.

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás. 
Ficaste sozinho, a luz apagou-se, 
mas na sombra teus olhos resplandecem enormes. 
És todo certeza, já não sabes sofrer. 
E nada esperas de teus amigos. 

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice? 
Teus ombros suportam o mundo 
e ele não pesa mais que a mão de uma criança. 
As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios 
provam apenas que a vida prossegue 
e nem todos se libertaram ainda. 
Alguns, achando bárbaro o espetáculo, 
prefeririam (os delicados) morrer. 
Chegou um tempo em que não adianta morrer. 
Chegou um tempo em que a vida é uma ordem. 
A vida apenas, sem mistificação. 

ANDRADE. Carlos Drummond de, op. cit. © Graña Drummond. 
www.carlosdrummond.com.br

depuração: limpeza; purificação moral; aperfeiçoamento.

1. O verso a seguir dispara uma ideia que se repete de diferentes maneiras ao longo do poema: "Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus". Responda: 

a) Dentro da ideia geral do poema, dizer "meu Deus" equivale a: 
⦁ pedir ajuda à divindade. 
⦁ não abandonar a relação entre o homem e a religião. 
⦁ indignar-se com os problemas que nos cercam. 
⦁ fugir dos verdadeiros problemas, recorrendo à religião. 

b) O verso seguinte, "Tempo de absoluta depuração", reforça a ideia apontada no item anterior com uma agravante. Consulte os significados da palavra depuração e reflita sobre a questão a seguir. 

Com esse verso, é sugerido que: 
⦁ o ser humano se sente culpado por não fazer nada contra os problemas do mundo, por isso busca a purificação moral. 
⦁ o ser humano perdeu sua capacidade de se indignar com os grandes problemas que o cercam e não sente culpa por isso. 

2. A visão pessimista do comportamento do ser humano diante dos problemas do mundo continua a ser marcada pelos próximos versos: "Tempo em que não se diz mais: meu amor. / Porque o amor resultou inútil". 

a) Que esperanças geralmente são colocadas no amor? 
b) O que significa, portanto, o amor resultar inútil? 

3. Releia os versos a seguir. Observe sua força poética (pense em "força poética" como o uso da palavra em seu potencial máximo de significação). 

"Teus ombros suportam o mundo 
e ele não pesa mais que a mão de uma criança." 

a) Marque as duas expressões que se opõem. 
 
⦁ Ombros e pesam.
⦁ Suportam e mundo.
⦁ Mundo e pesa. 
⦁ Ombros e mão de uma criança. 
⦁ Suportam e mão de uma criança.  

b) Nesse contexto, o que significa "Teus ombros suportam o mundo"? 
c) O que significa, então, suportar o que não pesa mais que a mão de uma criança? 

4. A capacidade de indignação é vislumbrada em dois versos da terceira estrofe. 

a) Identifique-os. 
b) O que, segundo o eu lírico, há de errado na atitude dos que se comovem com os problemas? 

5. Interprete os dois últimos versos do poema.



Gabarito

1.
a) indignar-se com os problemas que nos cercam.
b) o ser humano perdeu sua capacidade de se indignar com os grandes problemas que o cercam e não sente culpa por isso.

2. 
a) O amor, em geral, funciona como uma força transformadora, que implica abnegação, paciência, envolvimento, compaixão. 
b) Os esforços envolvidos nesse sentimento, no envolvimento com o outro, não servem para o que realmente importa: viver sem mistificação. 

3. 
a) Suportam e mão de uma criança.
b) Sugestão: Todos os problemas, as guerras, as fomes, enfim, tudo o que exige 
mudança, transformação está sobre os ombros do ser humano. Suportar é um vocábulo que pertence ao mesmo campo semântico da palavra peso. 
c) Significa que o peso está lá, mas não é assumido com a capacidade de indignação, de envolvimento, de exasperação que as questões ali levantadas exigem. 

4. 
a) “Alguns, achando bárbaro o espetáculo, / prefeririam (os delicados) morrer.”
b) Eles desejam fugir do problema em lugar de tentar agir e transformá-lo. Isso os torna, apesar da capacidade de indignação, idênticos aos demais. 

5. Sugestão: São os dois versos mais pessimistas do poema. A ideia é a de que não há um lugar mágico para o qual se possa fugir, nem dentro da própria vida, 
tampouco fora dela. Vivê-la apenas com tudo o que ela contém de dor, de absurdo e de sem sentido é o que resta.