Exercícios sobre sintaxe com gabarito (para treinar)


Leia também:
Sintaxe - exercícios com respostas - concursos e vestibulares

1. Sou coerente: a causa ______ tenho lutado vai ______ meus mais legítimos anseios e ideais.
a) por que, de encontro com os.
b) que, de encontro aos.
c) por que, ao encontro dos.
d) que, ao encontro de.
e) porque, de encontro aos.

Resposta: “c”. O verbo “lutar” nessa frase pede a preposição “por”: a causa por que tenho lutado. “Ao encontro de” expressa harmonia, que é o sentido da frase. As expressões “de encontro a” e “de encontro com” indicam oposição.

2. Os recursos ______ dispõe a prefeitura dessa cidade não são suficientes para torná​-la apta ______ empreender todas as melhorias ______ a população local exige.
a) de que, à, que.
b) que, de, de que.
c) a que, à, de que.
d) que, de que, que.
e) de que, a, que.

Resposta: “e”. Os recursos de que dispõe... — o verbo “dispor” exige a preposição “de”, que deve ser colocada antes do pronome relativo. Apta a empreender... — o nome “apta” exige a preposição “a”, sem crase, pois o que vem depois é o verbo “empreender” (e verbo não admite artigo). Melhoria que a população exige — o verbo “exigir” pede um complemento sem preposição, por isso usamos apenas o pronome relativo “que”, sem preposição.

3. Identifique a alternativa correta.
a) Felizes os países cujos os cidadãos são patriotas.
b) Preciso de dinheiro, sem o cujo não poderei pagar minhas dívidas.
c) Herdou uma fazenda, cuja fazenda lhe permitiria viver sem trabalhar.
d) Comprei gêneros sem os cujos não poderei sobreviver.
e) É um policial em cuja honestidade se pode confiar.

Resposta: “e”. O pronome relativo “cujo” sempre indica posse, sempre terá um substantivo depois dele — com o qual sempre concorda. Outra coisa: nunca haverá artigo depois de “cujo”. Ele também está sujeito à regência do verbo ou nome que aparece depois dele. Porisso: É um policial em cuja honestidade se pode confiar.

4. Assinale a opção que completa corretamente a lacuna da frase abaixo.

O tema ______ discorre o autor do texto é valiosa contribuição para um melhor conhecimento da história do nosso país.
a) o qual.
b) cujo.
c) do qual.
d) em que.
e) sobre que.

Resposta: “e”. O verbo “discorrer” exige a preposição “sobre”, que deve ser colocada antes do pronome relativo: O tema sobre que discorre o autor...

5. Preencha convenientemente as lacunas das frases seguintes, indicando o conjunto obtido.
I. A planta ______ frutos são venenosos foi derrubada.
II. O estado ______ capital nasci é este.
III. O escritor ______ obra falei morreu ontem.
IV. Este é o livro ______ páginas sempre me referi.
V. Este é o homem ______ causa lutei.

a) em cuja, cuja, de cuja, a cuja, por cuja.
b) cujos, em cuja, de cuja, cujas, por cujas.
c) cujos, em cuja, de cuja, a cujas, por cuja.
d) cujos, cuja, cuja, a cujas, por cujas.
e) cuja, em cuja, cuja, cujas, cuja.

Resposta: “c”. O pronome relativo “cujo” sempre indica posse, sempre terá um substantivo depois dele — com o qual sempre concorda. Outra coisa: nunca haverá artigo depois de “cujo”. Ele também está sujeito à regência do verbo ou nome que aparece depois dele. Por isso: I. A planta cujos frutos são venenosos... II. O estado em cuja capital nasci... III. O escritor de cuja obra falei... IV. Este é o livro a cujas páginas sempre me referi. V. Este é o homem por cuja causa lutei.

6. A cartomante ______ me referi, e ______ previsão restituiu a paz a Camilo, saiuse bem.
a) que, de que.
b) a que, cuja.
c) de que, em cuja.
d) à que, por cuja.

Resposta: “b”. O verbo “referir-se” pede a preposição “a”, que deve ser colocada antes do pronome relativo: A cartomante a que me referi... Na segunda lacuna temos a ideia de posse, por isso devemos empregar o pronome relativo “cujo”, concordando com o nome “previsão”: cuja previsão.

7. Quanto a amigos, prefiro João ______ Paulo, ______ quem sinto ______ simpatia.
a) a, por, menos.
b) do que, por, menos.
c) do que, com, menas.
d) do que, por, menas.
e) do que, para menos.

Resposta: “a”. O verbo “preferir” exige a preposição “a”: prefiro João a Paulo. O nome “simpatia” exige a preposição “por” que deve ser colocada antes do pronome relativo: por quem sinto menos simpatia. “menos” é palavra invariável.

8. Mostrou-se admirado ______ não ver o amigo ______ ia apresentar protestos ______ estima.
a) de, a quem, de.
b) de, que, na.
c) por, à quem, de.
d) por, à quem, na.
e) por, quem, de.

Resposta: “a”. O nome “admirado” aceita as preposições “de” e “por”. O verbo “apresentar” pede a preposição “a”. O nome “protestos” exige a preposição “de”. Então: Mostrou​-se admirado de não ver o amigo a quem ia apresentar protestos de estima.

9. Onde há erro de regência verbal?
a) Esqueceram​-lhe os compromissos assumidos.
b) Nós lhe lembramos o compromisso assumido.
c) Eu esqueci os compromissos assumidos.
d) Não me lembram tais palavras.
e) Lembro​-me que tais eram as suas palavras.

Resposta: “e”. O verbo “lembrar” pode ser usado com ou sem pronome reflexivo, e isso provoca mudança na regência: “lembrar” — sem pronome reflexivo — pede complemento sem preposição: lembrou aqueles; “lembrar-se” — com pronome reflexivo — pede complemento com a preposição “de”: Lembro que tais eram...; ou Lembro-me de que tais eram...

10. Assinale a alternativa incorreta quanto ao emprego da preposição.
a) Tratava​-se de um fanático de cujas convicções todos lutavam.
b) Era ele o empresário sob cujo patrocínio correram as eleições.
c) Língua extinta é aquela de cuja existência não possuímos provas.
d) Estes são os amigos dos quais nunca nos haveremos de esquecer.

Resposta: “a”. O verbo “lutar” admite várias preposições distintas, dependendo daquilo que se deseja expressar: lutar com — parceria; lutar contra — oposição; lutar para — finalidade; lutar por — objetivo. Nessa frase, o verbo “lutar”, por força do contexto, exige a preposição “contra”: Tratava​-se de um fanático contra cujas convicções todos lutavam.
11. Marque o texto que contém erro.
a) Assino esta revista especializada há muitos anos, mas este mês ela chamou a minha atenção de modo especial, e vocês vão logo entender por quê.
b) A decisão final sobre os reajustes das prestações do SFH sairá ainda este mês. Persistem algumas dúvidas porque a indexação voltou só para a parcela do salário até três mínimos.
c) Conforme informação da Caixa Econômica Federal, os mutuários desejam saber porque aqueles que têm data-base em setembro e repasse em sessenta dias terão, em novembro, correção mais elevada.
d) Muitos desconhecem também os motivos por que se aplicarão a todos os mutuários com contratos de equivalência salarial plena as antecipações bimestrais e quadrimestrais pelo INPC.
e) Por que se aplica o índice da poupança de setembro/90 a agosto/91 mais 3% de ganho real, descontando as antecipações?

Resposta: “c”. “... desejam saber por que aqueles...” — nessa frase, temos a preposição “por” + o pronome interrogativo “que”; são duas palavras, por isso se escrevem separadamente.

12. Assinale o item que apresenta erro de regência.
a) Não podemos fingir que não existe entre nós uma cultura de sonegação. Os motivos alegados para justificá​-la são os mais variados.
b) Outros alegam, diante dos altos impostos, de que, se pagarem tudo corretamente, no final das contas não lhes restará nada.
c) Existe quem justifique a sonegação com a desculpa de que é inútil ficar pagando tributos a governos incompetentes, que usam mal o dinheiro do contribuinte.
d) Uns dizem que não pagam porque não têm com que pagar. Outros sonegam apenas porque são gananciosos.
e) E não são poucos os que não pagam com a justificativa de que ninguém contribui; por que só eles vão ser tolos de pagar direito?

Resposta: “b”. Há uma preposição a mais: o verbo “alegar” exige um complemento sem preposição: Outros alegam, diante dos altos impostos, que, se pagarem...

13. Assinale a alternativa incorreta quanto à regência:
a) Creio que os trabalhadores estão muito conscientes de suas obrigações para com a pátria.
b) O filme a que me refiro aborda corajosamente a problemática dos direitos humanos.
c) Esta nova adaptação teatral do grande romance não está agradando ao público, eu, porém, prefiro esta àquela.
d) O trabalho inovador de Gláuber Rocha que lhe falei chama-se Deus e o Diabo na Terra do Sol.
e) José crê que a classe operária está em condições de desempenhar um papel importante na condução dos problemas nacionais.

Resposta: “d”. Faltou a preposição “de” exigida pelo verbo “falar”: O trabalho inovador de Gláuber Rocha de que lhe falei...

14. A mãe não ______ bem, nem ______ bem; isso talvez explique o seu ______ humor.
a) o queria, lhe tratava, mau.
b) o queria, o tratava, mau.
c) lhe queria, lhe tratava, mau.
d) lhe queria, o tratava, mau.
e) lhe queria, o tratava, mal.

Resposta: “d”. “Querer” no sentido de estimar pede um complemento com a preposição “a”, ou seja, um objeto indireto — os objetos indiretos iniciados por “a” ou “para” são representados pelo pronome oblíquo “lhe(s)”. O verbo “tratar” no sentido de cuidar pede um complemento sem preposição, ou seja, um objeto direto — os objetos diretos são sempre representados pelos pronomes oblíquos “o(s)” e “a(s)”. Mau — adjetivo, acompanha um substantivo; mal — substantivo, advérbio ou conjunção. Então: A mãe não lhe queria bem, nem o tratava bem; isso talvez explique o seu mau humor.

15. Como não ______ vi, chamei o contínuo e mandei​-______, então, ______
a) lhe, ele, procurar você.
b) o, o, procurá​-lo.
c) lhe, o, procurá​-lo.
d) o, ele, procurar​-lhe.
e) lhe, lhe, procurar​-lhe.

Resposta: “b”. Como não o (objeto direto do verbo ver) vi, chamei o contínuo e mandei-o (objeto direto do verbo mandar), então, procurá​-lo (objeto direto do verbo procurar).

16. Obedeça​-______, estime​-______ e ______ sempre que precisar.
a) os, os, recorra a eles.
b) lhes, os, recorra a eles.
c) lhes, lhes, recorra​-lhes.
d) os, lhes, recorra​-lhes.
e) os, lhes, recorra a eles.

Resposta: “b”. Obedeça-lhes (objeto indireto do verbo obedecer), estime-os (objeto direto do verbo estimar) e recorra a eles (objeto indireto do verbo recorrer, que não aceita o pronome “lhe(s)” como complemento) sempre que precisar.

17. Assinale a opção em que houve erro ao se substituir a expressão em destaque pelo pronome oblíquo.
a) ... e faziam pinturas incríveis: e faziam​-nas.
b) ... onde as pessoas deveriam guardar seu dinheiro: onde as pessoas deveriam guardá-lo.
c) Teci cobertor com canto de passarinho: Teci​-o com canto de passarinho.
d) Dei poderes aos meus filhos: Dei​-lhes poderes.
e) Visitei minhas irmãs: Visitei​-lhes.

Resposta: “e”. “Visitar” pede complemento sem preposição, ou seja, objeto direto, por isso devemos usar ao lado dele os pronomes oblíquos “o(s)”, “a(s)”: Visitei minhas irmãs: visitei​-as.

18. Observe a regência verbal e assinale a opção falsa.
a) Avisaram​-no que chegaríamos logo.
b) Informei​-lhe a nota obtida.
c) Os motoristas irresponsáveis, em geral, não obedecem aos sinais de trânsito.
d) Há bastante tempo que assistimos em São Paulo.
e) Muita gordura não implica saúde.

Resposta: “a”. O verbo “avisar” admite duas construções: “avisar algo a alguém” ou “avisar alguém de/sobre algo”. Então, podemos dizer: Avisaram-no de que chegaríamos logo; ou Avisaram-lhe que chegaríamos logo. Da maneira que aparece na questão, há dois objetos indiretos: ​-no / que chegaríamos logo — isso é errado.

19. Assinale a frase em que a regência não está correta.
a) Notificá​-lo​-emos de que o perdoamos.
b) Informaram​-lhe que o carro fora consertado.
c) Não desobedeçais a vossos mestres.
d) Cientifico​-os de que estamos muito ocupados.
e) Quando o encontrei, fiquei muito emocionado.

Resposta: “a”. O verbo “perdoar” pode ter um complemento “coisa”, nesse caso um objeto direto; também pode ter um complemento “pessoa”, nesse caso um objeto indireto: Perdoei o pecado. Perdoei ao pecador. Não devemos esquecer que “o(s)”, “a(s)” são objetos diretos e “lhe(s)” são objetos indiretos. Na frase em questão o verbo “perdoar” se refere a uma pessoa, por isso devemos empregar ao lado dele o pronome “lhe”: Notificá-lo​-emos de que LHE perdoamos.

20. Opção que preenche corretamente as lacunas:

O gerente dirigiu-se ______ sua sala e pôs-se ______ falar ______ todas as pessoas
convocadas.
a) à, à, a.
b) a, à, à.
c) à, a, a.
d) a, a, à.
e) à, a, à.

Resposta: “c”. O verbo “dirigir-se” exige a preposição “a”, o pronome possessivo “sua” pode ser usado com ou sem preposição; então com ou sem crase. “Pôr-se” pede a preposição “a”, mas o verbo “falar”, que vem depois, não aceita artigo; sem crase. “Falar” pede a preposição “a”, mas o pronome indefinido “todas” não aceita artigo; sem crase.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...