Pronomes - questões de concursos (gabarito)


Leia também:
Pronomes - exercícios com gabarito - concursos

1. (FCC – Infraero – Administrador – 2011) Está correto o emprego do elemento sublinhado em:

a) O Príncipe é um símbolo reincidente, a cujo nome pessoal talvez nem mesmo a Branca de Neve tenha conhecimento.
b) A necessidade de bajular o poder é um vício de que muita gente da imprensa não consegue se esquivar.
c) A trama com a qual o personagem anônimo participa jamais seria a mesma sem o seu concurso.
d) Em dois segundos o lenhador tomou uma decisão na qual decorreria toda a trama já conhecida de Branca de Neve.
e) Os figurantes anônimos muitas vezes são responsáveis por uma ação em que irão depender todas as demais.

2. (FCC – TRE/PE – Técnico Judiciário – 2011)

... nem por isso deixa de cultuar Delacroix ...
Cézanne admira a maestria plástica de Rubens ... 
... já encontramos a chave do enigma cézanneano.

A substituição dos elementos grifados nas frases acima pelos pronomes correspondentes, com os necessários ajustes, terá como resultado, respectivamente:

a) nem por isso deixa de cultuar-lhe / Cézanne a admira / já a encontramos;
b) nem por isso deixa de cultuá-lo / Cézanne lhe admira / já lhe encontramos;
c) nem por isso deixa de lhe cultuar / Cézanne a admira / já encontramos-na;
d) nem por isso deixa de a cultuar / Cézanne lhe admira / já lhe encontramos;
e) nem por isso deixa de cultuá-lo / Cézanne a admira / já a encontramos.

3. (FCC – TRT/SE (20R) – Analista Judiciário – 2011) Está correto o emprego do elemento sublinhado na frase:

a) Não deu certo o tal do método prático em cuja eficiência Paulo Honório chegou a acreditar.
b) Para o jornalista, a criação da língua literária requer uma técnica sofisticada em que nenhum escritor pode abdicar.
c) Quando Paulo Honório leu os dois capítulos datilografados, sentiu neles um artificialismo verbal de que jamais toleraria.
d) Se literatura fosse um arranjo de palavras difíceis, os dicionaristas fariam poemas de cujo brilho ninguém superaria.
e) A linguagem com que Paulo Honório de fato aspirava era simples, direta, e não uma coleção de figuras retóricas.

4. (FCC – TRT/SE (20R) – Técnico Judiciário – 2011) 

“o cérebro é uma orquestra sinfônica em que os instrumentos vão se modificando à medida que são tocados”.

A expressão pronominal em que, grifada acima, preenche corretamente a lacuna da frase:

a) As questões _______ se preocupam os cientistas dizem respeito às alterações cerebrais devidas ao uso indiscriminado da internet.
b) É incalculável o número de informações, sobre os mais diversos temas, _____ o cérebro humano é capaz de processar.
c) As hipóteses aventadas, _____ se baseiam os especialistas, devem ainda ser comprovadas por exames acurados.
d) As implicações causadas pela onipresença da internet, ______ está sujeito o cérebro humano, são objeto de preocupação de cientistas.
e) As informações ______ dispõem os usuários da comunicação eletrônica são múltiplas, embora sejam superficiais.

5. (FCC – BB – Escriturário – 2011) O segmento grifado que está sendo substituído de modo INCORRETO por um pronome, com as necessárias adaptações, é:

a) um recenseamento revelou a situação inédita = revelou-a;
b) milhares de pessoas trocavam as cidades do interior = trocavam-nas;
c) A tendência (...) definiu o Brasil do século XXI = lhe definiu;
d) era a que levava famílias inteiras do Nordeste = as levava;
e) que tem criado empregos = que os tem criado.

6. (FCC – Infraero – Auditor – 2011) A substituição do elemento grifado pelo pronome correspondente, com os necessários ajustes, foi realizada de modo INCORRETO em:

a) O tratamento que é dado aos temas = O tratamento que lhes é dado;
b) que circunscreve seus míticos personagens = que os circunscreve;
c) para começar a entender Guimarães Rosa = para começar a entendê-lo;
d) sua obra criou um âmbito próprio = sua obra criou-o;
e) Guimarães Rosa mantém seu estilo próprio = Guimarães Rosa lhe mantém.

7. (FCC – TRE/AP – Analista Judiciário – 2011) Considere as afirmações que seguem.

I. A sequência na política, na religião, na ciência, na arte, na imprensa, na literatura, na filosofia, até na cozinha constitui elenco de profissões que tiveram de se associar ao domínio da cultura para atingir a economia do estrelato.
II. Em A própria literatura consagra escritores no mercado internacional, os quais negociam seus direitos por intermédio de agentes, segundo o sistema que prevalece nas indústrias do espetáculo, a expressão em destaque foi obrigatoriamente empregada para evitar a ambiguidade que ocorreria se, em seu lugar, fosse usado o pronome “que”.
III. Em A própria literatura consagra escritores no mercado internacional, os quais negociam seus direitos por intermédio de agentes, segundo o sistema que prevalece nas indústrias do espetáculo, o segmento destacado poderia ser substituído por “prevalecente”, sem prejuízo do sentido e da correção originais.

O texto legitima:
a) I, somente;
b) II, somente;
c) III, somente;
d) I e III, somente;
e) I, II e III.

8. (FCC – TRE/RN – Técnico Judiciário – 2011) A reconstrução de um segmento do texto, com um diferente emprego pronominal, que mantém a correção e o sentido originais é:

a) o corvo, então, tentou virá-lo = O corvo, então, lhe tentou virar;
b) pegando-as uma a uma = pegando-lhes uma a uma;
c) não havia meio de alcançá-la = não havia como alcançar-lhe;
d) o jarro era pesado demais para ele = o jarro lhe era por demais pesado;
e) atirando-as dentro do jarro = atirando-lhes para dentro do jarro.

9. (FCC – Nossa Caixa Desenvolvimento – Contador – 2011) Está adequado o emprego de ambos os elementos sublinhados na frase:

a) A obsolescência e o anacronismo, atributos nos quais os americanos manifestam todo seu desprezo, passaram a se enfeixar com a expressão dez de setembro.
b) O estado de psicose, ao qual imergiram tantos americanos, levou à adoção de medidas de segurança em cuja radicalidade muitos recriminam.
c) A sensação de que o 11/9 foi um prólogo de algo ao qual ninguém se arrisca a pronunciar é um indício do pasmo no qual foram tomados tantos americanos.
d) Não é à descrença, sentimento com que nos sentimos invadidos depois de uma tragédia, é na esperança que queremos nos apegar.
e) Fatos como os de 11/9, com que ninguém espera se deparar, são também lições terríveis, de cujo significado não se deve esquecer.

10. (Cesgranrio – Petrobras – Administrador Júnior – 2011) A colocação do pronome átono destacado está INCORRETA em:

a) Quando se tem dúvida, é necessário refletir mais a respeito.
b) Tudo se disse e nada ficou acordado.
c) Disse que, por vezes, temos equivocado-nos nesse assunto.
d) Alguém nos informará o valor do prêmio.
e) Não devemos preocupar-nos tanto com ela.

11. (Cesgranrio – SEEC/RN – Professor de Língua Portuguesa – 2011) 

O prazer da escrita
Escrever bem nunca deve ser encarado como uma obrigação. Ao menos, por dois motivos – imagino eu.
Em primeiro lugar, porque isso é uma necessidade da vida contemporânea.
Uma dissertação ruim num concurso público, um texto livre mal escrito numa seleção de emprego ou uma confusa carta de reclamação ao Procon podem fazer toda a diferença quando o que está em jogo é uma conquista de fato desejada por seu redator.
Em segundo lugar, porque é um prazer a ser cultivado.
Um texto descuidado não chega a ser atestado de toda uma formação educacional frágil. Mas o é da forma como damos ênfase àquilo que fazemos (como diria Drummond: “Que triste! Que triste são as coisas, consideradas sem ênfase.”). Na prática, não há garantia de que aprender uma dada quantidade de técnicas de escrita nos faça escrever melhor. Escrever, como ler, só será efetivamente um hábito qualificado se feito com prazer.
É ao esculpir um texto que se percebe o quanto é insuficiente decorar regras de português ou macetes rápidos de construção retórica. Certamente, um bom texto denuncia o quanto a sério levamos o prazer de ler e escrever. O quanto a sério levamos tudo o que fazemos com efetiva entrega e delícia.
Haverá, evidentemente, coordenadas a serem seguidas por um texto conceitual e argumentativo. Mas toda redação deve ser pensada como um processo de descobertas, um modo de articular o que se sabe para alcançar o que não necessariamente está dado desde o início.
Não se trata de padronizar o próprio texto, mas fazer aflorar o melhor de nosso raciocínio.

O termo em destaque funciona como um elemento de coesão referencial em relação ao termo entre colchetes em:

a) “Em primeiro lugar, porque isso é uma necessidade da vida contemporânea.” [obrigação]
b) “... quando o que está em jogo é uma conquista de fato desejada por seu redator.” [bom texto]
c) “Mas o é da forma como damos ênfase àquilo que fazemos.” [atestado]
d) “O quanto a sério levamos tudo o que fazemos com efetiva entrega e delícia.” [regras de português]
e) “Não se trata de padronizar o próprio texto, mas fazer aflorar o melhor do nosso raciocínio.” [texto]

12. (FDC – CREMERJ – Administrador – 2011) 

“As drogas medicinais ou ‘drogas da virtude’, prescritas pelos físicos, odontólogos e médicos homeopatas ou alopatas eram manipuladas por boticários, que importavam remédios europeus e
usavam produtos nativos em sua formulação.”

No texto há um conjunto de elementos que se prendem a termos anteriores a fim de produzir coesão (ligações formais e semânticas) entre esses elementos. A indicação INCORRETA de um desses termos é:

a) o pronome possessivo sua tem como referente “remédios europeus”;
b) o particípio prescritas refere-se às duas espécies de drogas mencionadas antes;
c) o conectivo por une a forma verbal eram manipuladas a seu agente;
d) a forma verbal usavam repete o mesmo sujeito de importavam;
e) o pronome relativo que refere-se a boticários.

13. (FUNIVERSA – SEPLAG/DF – Auditor Fiscal de Atividades Urbanas – 2011) (Adaptada) A afirmação abaixo está correta ou incorreta?

– Na construção “O que tais pessoas talvez nunca percebam”, o pronome “tais” está empregado de modo informal, com significado de brilhantesgrandiosas. Incorreto

14. (FUNIVERSA – SES/DF – Enfermeiro – 2011) Assinale a alternativa que apresenta reescrita correta de passagem do texto.

a) “Trata-se do único relato dessa natureza em toda biologia.” (Trata-se do único relato dessa natureza em toda a biologia.);
b) “na sua cadeia genética” (em sua cadeia genética);
c) “por que ele iria suportar” (como ele iria suportar);
d) “mais população é resultado de mais consumo, o que significa mais devastação e mais lixo” (mais população, mais consumo, ou seja, mais devastação, mais lixo);
e) “suportar a dor das perdas prematuras a qual” (suportar a dor das perdas prematuras que).

15. (Cesgranrio – Petrobras – Analista de Sistemas Júnior – 2012) Aos trechos abaixo, retirados do texto, foram propostas alterações na colocação do pronome. Tal alteração está de acordo com a norma-padrão em:

a) “foram se fechando” – foram fechando-se;
b) “Pensa-se logo num palhaço” – Se pensa logo num palhaço;
c) “ninguém lhe esquece a tristeza” – ninguém esquece-lhe a tristeza;
d) “Trata-se na verdade” – Se trata na verdade;
e) “que quase se limita a olhar” – que quase limita-se a olhar.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...