Habilidades EF69LP47, EF69LP55 - Poema 7ºano Tostão de chuva (Mário de Andrade)


No poema narrativo reproduzido a seguir, do escritor paulistano Mário de Andrade, o eu lírico (e narrador) conta a história de Antônio Jerônimo, um sertanejo pobre que, diante da seca, decide pedir ajuda ao Padre Cícero, conhecido por realizar milagres. Leia-o com atenção para responder às questões.

Tostão de chuva
Quem é Antônio Jerônimo? É o sitiante
Que mora no Fundão
Numa biblioteca pobre. É pobre. Dantes
Inda a coisa ia indo e ele possuía
Um cavalo cardão.
Mas a seca batera no roçado...
Vai, Antônio Jerônimo um belo dia
Só por debique de desabusado
Falou assim: “Pois que nosso padim
Pade Ciço que é milagreiro, contam,
Me mande um tostão de chuva pra mim!”
Pois então nosso “padim” padre Cícero
Coçou a barba, matutando, e disse:
“Pros outros mando muita chuva não, 
Só dois vinténs. Mas pra Antônio Jerônimo
Vou mandar um tostão”
No outro dia veio uma chuva boa
Que foi uma festa pros nossos homens
E o milho agradeceu bem. Porém
No Fundão veio uma trovoada enorme
Quem num átimo virou tudo em lagoa
E matou o cavalo de Antônio Jerônimo
Matou o cavalo.

ANDRADE, Mário de. Clan do Jaboti. 1927. 
Disponível em: 
<http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=64419&opt=1>. 

Glossário
Cardão: de cor azulada.
Debique: deboche.
Desabusado: atrevido.
Padim Pade Ciço: maneira regional de fazer referência ao “padrinho” Padre Cícero, padre católico cearense de grande prestígio popular.
Átimo: instante, momento. 

Questão 1
Entre os versos 3 e 5 do poema, encontramos a seguinte oração: 
“[...] Dantes/Inda a coisa ia indo e ele possuía/Um cavalo cardão”
A locução verbal ia indo indica que a vida de Antônio Jerônimo era fácil? Explique sua resposta.

Questão 2
Sobre a narrativa do poema, assinale a alternativa correta.
a) Pode-se afirmar que a atitude humilde de Antônio Jerônimo contribuiu para o desfecho narrado.
b) A morte de seu cavalo, após a chuva, não agrava a pobreza de Antônio Jerônimo.
c) A falta de crença de Antônio Jerônimo em Padre Cícero contribui para o desfecho narrado.
d) No verso 19, a afirmação “[...] o milho agradeceu bem [...]” sugere, de maneira irônica, que a chuva fez mal para a plantação. 

Questão 3
Sobre o emprego dos verbos no poema, assinale a alternativa correta:
a) No verso 11, o emprego do modo imperativo na forma verbal mande indica que Antônio Jerônimo ordena a Padre Cícero que faça chover, o que irrita o Padre, que faz chover em excesso.
b) No verso 1, o emprego da forma verbal é indica um momento da narrativa em que Antônio Jerônimo era vivo, ou seja, um momento anterior à chuva no desfecho da narrativa.
c) A forma verbal batera, de pretérito mais-que-perfeito, no verso 6, indica que o início da seca é um fato anterior ao que será narrado em seguida.
d) No verso 16 a forma verbal vou tem valor de ação habitual, semelhante ao que se observa em “vou à escola todos os dias”.



GABARITO E COMENTÁRIOS

Questão 1
Essa questão avalia a capacidade do aluno para compreender o sentido de uma expressão empregada em registros de informalidade e a função dessa expressão na caracterização de uma personagem. As habilidades abordadas são a EF69LP55 e a EF69LP47 da BNCC.
Resposta esperada: Essa locução verbal indica que a vida de Antônio Jerônimo não era fácil, mas era possível, tolerável e mais fácil do que viria a se tornar. 
É possível que o aluno tenha dificuldades para compreender o valor de relativização da locução verbal “ia indo” nesse contexto. Nesse caso, o professor pode apontar a ele que essa expressão é corriqueira em registros de informalidade e serve para indicar que as coisas não vão bem nem particularmente mal. Além disso, pode apontar que a expressão “inda” reforça que a vida estava, naquele momento, melhor do que viria a se tornar.

Questão 2
Essa questão avalia a compreensão global e de trechos específicos do poema feita pelo aluno. A habilidade abordada é a EF69LP47 da BNCC.
Resposta certa: c
A marcação da alternativa a como correta indica que o aluno não compreendeu a atitude de Antônio Jerônimo na narrativa. Nesse caso, o professor deve apontar a ele o emprego da expressão “debique de desabusado”, que, como esclarece o glossário, sugere deboche e atrevimento, características contrárias à humildade.
A marcação da alternativa b como correta pode indicar que o aluno não compreendeu com precisão a cronologia da narrativa. Nesse caso, o professor deve pedir a ele que reconstrua essa cronologia, que, fundamentalmente, é constituída por três tempos diversos: um, anterior à seca, em que “a coisa ia indo e ele possuía um cavalo cardão”; outro, em que o protagonista pede a chuva ao Padre Cícero e tem seu pedido atendido, o que leva à morte de seu cavalo; por fim o terceiro, presente da narração, em que Antônio Jerônimo “é o sitiante que mora no Fundão” e “é” pobre.
A marcação da alternativa d como correta indica um erro de leitura da expressão “o milho agradeceu bem”. Nesse caso, o professor deve indicar que a chuva foi benéfica para o milho, o que pode ser confirmado pela expressão “uma chuva boa” e pela constatação de que foi uma “festa pros nossos homens”.

Questão 3
Essa questão avalia a apropriação que o aluno faz dos conceitos relacionados ao uso de verbos e a sua capacidade para mobilizar esses conceitos com o fim de explicar valores semânticos dos verbos em textos narrativos. A habilidade abordada é a EF69LP47.
Resposta certa: c
A marcação da alternativa a como correta indica que o aluno não compreendeu com precisão o valor da forma imperativa mande no contexto, limitando-se a apontar como seu sentido um genérico ordenar. Nesse caso, o professor deve ressaltar que as formas imperativas podem assumir valores diferentes desse, e que o valor de cada forma deve ser buscado no contexto específico em que se insere. Nesse caso, mande tem valor de um pedido, e não foi isso, mas a atitude de deboche de Antônio Jerônimo, que levou Padre Cícero a fazer chover em excesso.
A marcação da alternativa b como correta indica que o aluno não compreendeu corretamente a cronologia da narrativa do poema. A forma verbal é indica um momento posterior ao da chuva, o presente da narração. Nesse caso, o professor deve pedir ao aluno que reconstrua essa cronologia, que, fundamentalmente, é constituída por três tempos diversos: um, anterior à seca, em que “a coisa ia indo e ele possuía um cavalo cardão”; outro, em que o protagonista pede a chuva ao Padre Cícero e tem seu pedido atendido, o que leva à morte de seu cavalo; por fim o terceiro, presente da narração, em que Antônio Jerônimo “é o sitiante que mora no Fundão” e “é” pobre.
A marcação da alternativa d indica que o aluno não compreendeu o valor da forma verbal vou, que é de futuro. Nesse caso, o professor deve apontar ao aluno que a locução “vou mandar”, como é frequente para locuções que associam a forma vou a um verbo em forma infinitiva, expressa, no contexto, o desejo ou resolução de Padre Cícero de “mandar” chuva.