Exercício sobre anáfora 8ºano com gabarito - Habilidade EF69LP54

Leia o texto 41 do Livro do Desassossego, de Fernando Pessoa.

E não sei o que sinto, não sei o que quero sentir, não sei o que penso nem o que sou.
Verifico que, tantas vezes alegre, tantas vezes contente, estou sempre triste.
Não vejo, sem pensar.
Não há sossego — e, ai de mim!, nem sequer há desejo de o ter.

PESSOA, Fernando. 41. Livro do Desassossego.
Disponível em:
<www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=16740>. 

O efeito de sentido produzido pelo uso da anáfora

a) associa a falta de conhecimento pleno do eu poético sobre si em relação à natureza.

b) potencializa, por meio da linguagem figurada, o desejo de sossego do eu poético.

c) reforça os conflitos íntimos e o desassossego ao evidenciar que o eu poético não sabe muito sobre si mesmo.

d) expõe os conflitos contraditórios do eu poético que sente, ao mesmo tempo, tristeza e alegria.

Prática de Linguagem:
Análise linguística/semiótica

Objeto (s) de conhecimento:
Recursos linguísticos e semióticos que operam nos textos pertencentes aos gêneros literários

Habilidade:
(EF69LP54)
Analisar os efeitos de sentido decorrentes da interação entre os elementos linguísticos e os recursos paralinguísticos e cinésicos, como as variações no ritmo, as modulações no tom de voz, as pausas, as manipulações do estrato sonoro da linguagem, obtidos por meio da estrofação, das rimas e de figuras de linguagem como as aliterações, as assonâncias, as onomatopeias, dentre outras, a postura corporal e a gestualidade, na declamação de poemas, apresentações musicais e teatrais, tanto em gêneros em prosa quanto nos gêneros poéticos, os efeitos de sentido decorrentes do emprego de figuras de linguagem, tais como comparação, metáfora, personificação, metonímia, hipérbole, eufemismo, ironia, paradoxo e antítese e os efeitos de sentido decorrentes do emprego de palavras e expressões denotativas e conotativas (adjetivos, locuções adjetivas, orações subordinadas adjetivas etc.), que funcionam como modificadores, percebendo sua função na caracterização dos espaços, tempos, personagens e ações próprios de cada gênero narrativo. 

Justificativas

a) Os alunos que marcam esta alternativa confundem anáfora com personificação, figura que não está presente no texto.

b) Os alunos que marcam esta alternativa não percebem que o efeito de potencializar uma imagem, torná-la exagerada, não é produzido pela anáfora, mas sim pela hipérbole. Além disso, de acordo com o último verso, o eu poético não tem sossego nem deseja tê-lo.

c) Os alunos analisam adequadamente o efeito de sentido produzido pela repetição da expressão “não sei”, presente na primeira linha do texto. O uso dessa anáfora destaca a constatação do eu lírico de que ele não sabe algumas coisas sobre si, demonstrando assim seu sentimento de desassossego. (correta)

d) Os alunos que marcam esta alternativa julgam inadequadamente que essa oposição de sentimentos, expressa pelas palavras “alegria” e “tristeza”, é dada pela anáfora; porém, esse é o efeito provocado pelo uso da antítese.

Orientações sobre como interpretar as respostas e reorientar o planejamento com base nos resultados:
Estimule a análise dos efeitos de sentidos das figuras de linguagem por meio do estudo dos elementos que as compõem. Para tanto, selecione um gênero literário e uma figura de linguagem específica. Estimule os alunos a atribuir outros sentidos figurados por meio da substituição por novas expressões, criando assim outras figuras.