Atividade de interpretação de charge com gabarito (Enem / vestibulares)

 

“A igualdade inata, quer dizer, a independência que consiste em não se ser obrigado por outros a mais do que, reciprocamente, os podemos obrigar; por conseguinte, a qualidade do homem de ser seu próprio senhor (sui iuris), ao mesmo tempo a de ser um homem íntegro (iustus), porque não cometeu ilícito algum com anterioridade a qualquer acto jurídico; por último, também a faculdade de fazer aos outros aquilo que os não prejudica no que é seu, se eles não quiserem tomar como tal; como por exemplo, comunicar aos outros o próprio pensamento, contar-lhes ou prometer-lhes algo, seja verdadeiro e sincero ou falso e dúplice (veriloquium aut falsiloquium), pois que é unicamente sobre eles que recai o facto de querer ou não acreditar no interlocutor – todas estas faculdades encontram-se já ínsitas no princípio da liberdade inata e não se distinguem verdadeiramente dela (como elementos de uma divisão com base num conceito superior de Direito)”.

(KANT, 2004, p. 56-57.)

Considerando a charge e o texto acima, assinale a alternativa correta:

a) O atentado ao periódico francês Charlie Hebdo deveu-se à insatisfação generalizada com os resultados das eleições para o parlamento da França, com o crescimento dos partidos conservadores. 

b) O necessário respeito à liberdade e subjetividade tornam matéria indiscutível, em termos de política pública estatal, as ações de cunho religioso de quaisquer matizes ou denominações, por mais diferentes que possam parecer ao parâmetro cultural dominante.

c) O parâmetro apresentado no pensamento kantiano consiste na aplicação do entendimento iluminista do século XVIII, o qual atribui uma função central para a autonomia do sujeito de modo a exigir-lhe a responsabilidade pelo seu próprio processo de conhecimento da realidade.

d) A concepção de que haja uma competição entre culturas com o foco na construção de hegemonia tem seu ponto culminante dentro da prática do multiculturalismo europeu do fim do século XX e início do século XXI. x

e) O atentado contra a publicação semanal do Charlie Hebdo não se configura como negação da condição de subjetividade e individualidade necessárias à coexistência cultural, mas, outrossim, uma resposta à agressão praticada pelos jornalistas contra a religião islâmica.