Gênero verbete - Atividade 6ºano - Habilidades EF67LP28, EF69LP55, EF35LP03, EF35LP04

O trecho a seguir foi retirado do romance A bolsa amarela, escrito pela gaúcha Lygia Bojunga. Leia-o com atenção para responder às questões.

Eu tenho que achar um lugar pra esconder as minhas vontades. Não digo vontade magra, pequenininha, que nem tomar sorvete a toda hora, dar sumiço da aula de matemática, comprar um sapato novo que eu não aguento mais o meu. Vontade assim todo o mundo pode ver, não tô ligando a mínima. Mas as outras – as três que de repente vão crescendo e engordando toda a vida – ah – essas eu não quero mais mostrar. De jeito nenhum. Nem sei qual das três me enrola mais. Às vezes acho que é a vontade de crescer de uma vez e deixar de ser criança. Outra hora acho que é a vontade de ter nascido garoto em vez de menina. 

Mas hoje tô achando que é a vontade de escrever. Já fiz tudo pra me livrar delas. [...] foi só no mês passado que a vontade de escrever deu pra crescer também. A coisa começou assim: um dia fiquei pensando o que é que eu ia ser mais tarde. Resolvi que ia ser escritora. Então já fui fingindo que era. Só pra treinar. Comecei escrevendo umas cartas:

“Prezado André,
Ando querendo bater papo. Mas ninguém tá a fim.
Eles dizem que não têm tempo. Mas ficam vendo televisão. Queria te contar minha vida. Dá pé?
Um abraço da Raquel ”

[...]

BOJUNGA, Lygia. A bolsa amarela. 35. ed. Rio de Janeiro: Casa Lygia Bojunga, 2003.

Questão 1
No segundo parágrafo do fragmento lido, a narradora afirma, sobre ser escritora, “já fui fingindo que era”. Observe o verbete fingir, reproduzido a seguir, e responda: que sentido – entre os apresentados – melhor descreve o utilizado pela narradora no trecho? Justifique sua resposta.

Fingir (fin.gir) verbo 1 [...] ocultar sentimento, intenção, pensamento; dissimular. <“fingia para não magoar a mãe”> 2 [...] fazer parecer real (o que é falso ou inexistente); aparentar, simular. <“fingiu entusiasmo”> 3 [...] exprimir sem sinceridade. <“fingiu todo o testemunho”> 4 criar na imaginação; inventar <“costumavam fingir que moravam à beira-mar”>

___________________________________________________________________

___________________________________________________________________

___________________________________________________________________

___________________________________________________________________

Questão 2
A respeito do trecho de A bolsa amarela, assinale a alternativa correta.

a) “Dar sumiço da aula de matemática” significa, no trecho, algo como “fazer a aula desaparecer”, ou seja, fazê-la passar mais rapidamente.

b) Durante todo o trecho, o interlocutor da narradora é André, seu colega.

c) Durante todo o trecho, não é possível dizer que a narradora seja interlocutora de ninguém, já que é sempre ela quem fala.

d) Na carta que a narradora escreve a André, a expressão “dá pé” tem o sentido de “é possível”.

Questão 3
Assinale a alternativa correta.

a) Podemos saber quem é a narradora exclusivamente devido ao fato de ela afirmar que é uma menina e uma criança.

b) Para sabermos quem é a narradora, podemos prestar atenção à linguagem que ela utiliza. Já que ela emprega uma variante urbana de prestígio, sabemos que se trata de uma adulta de uma cidade grande.

c) O uso de gírias como “ligando a mínima” nos ajuda a perceber que a narradora é jovem.

d) A narradora comete diversos erros no emprego da língua, como a escolha de “pra” no lugar de para e “tô” no lugar de estou.

GABARITO

Questão 1
Avalia-se, nessa questão, a capacidade do aluno de fazer uma leitura adequada do gênero verbete. Outra habilidade avaliada é a de inferir o sentido de uma palavra a partir do contexto verbal em que ela está inserida. Na BNCC, as habilidades exigidas correspondem à EF67LP28 e à EF35LP04.

Resposta esperada: O sentido da palavra fingir utilizado pela narradora é aquele descrito na entrada 4: “criar na imaginação; inventar”. Pode-se perceber isso pelo fato de que não há simulação ou falsidade no fingimento da menina, mas brincadeira e imaginação.

São duas as dificuldades esperadas nessa questão. A primeira seria uma dificuldade para diferenciar os sentidos de fingir. A segunda dificuldade reside na elaboração da justificativa. Em ambos os casos, o professor deve pedir ao aluno que faça uma paráfrase dos diversos sentidos da palavra e induzi-lo a perceber que todos os sentidos menos o 4 implicam, em alguma medida, uma vontade de “parecer” algo que não se é; no caso da narradora, ao contrário, há apenas imaginação e brincadeira, já que ela fingiu apenas para si.  

Questão 2
Nessa questão, avalia-se a capacidade do aluno de compreender uma variante linguística da juventude urbana e de compreender o conceito de interlocutor.

Resposta certa: d

A marcação da alternativa a como correta indica um equívoco na leitura de determinada gíria, o que pode ser indicativo de uma dificuldade para inferir sentidos de palavras e expressões a partir de seu contexto verbal. Ver a habilidade EF35LP03 da BNCC. Nesse caso, o professor deve induzir o aluno a perceber a diferença entre pretender que algo “desapareça” e querer que “passe mais depressa”. Constatada a diferença, o professor deve pedir ao aluno que desenvolva outras hipóteses de sentido e as avalie de acordo com sua pertinência ao contexto. O sentido a que o aluno deve chegar precisa ser equivalente a “matar aula”.

A marcação da alternativa b como correta indica também um equívoco de leitura. Nesse caso, o aluno não soube delimitar com precisão o trecho em que André é de fato interlocutor da narradora. O professor deve levar o aluno a perceber marcas que distinguem os dois momentos presentes no trecho: a narradora como personagem que narra o texto a seus leitores e a narradora como personagem que interage com outros personagens.

A marcação da alternativa c como correta indica uma compreensão imprecisa do conceito de “interlocutor”. 

O uso corrente frequentemente restringe a palavra à designação daquele com quem se fala, o que pode levar o aluno a compreender que a posição de interlocutor equivale àquela que conhecemos como “receptor”. Nesse caso, o professor deve indicar a ele essa imprecisão e pedir que retome o conceito para perceber que tanto aquele que fala como aquele que ouve são interlocutores em uma situação de comunicação. 

Questão 3
Nessa questão, avalia-se a capacidade do aluno para mobilizar os conceitos relacionados ao estudo de variação linguística e reconhecer que seu emprego serve, no texto, ao propósito de caracterizar a narradora. A habilidade corresponde à EF69LP55 da BNCC.

Resposta certa: c

A marcação da alternativa a como correta em geral deve-se à desconsideração da palavra exclusivamente. Nesse caso, o professor deve indicar ao aluno a necessidade de que a afirmação esteja integralmente correta para a marcação da alternativa correspondente a ela. Além disso, é possível que o aluno não perceba a contribuição da variante linguística para caracterização do contexto. Nesse caso, o professor deve retomar a discussão acerca das variantes como fator de identidade cultural, explicitando que, frequentemente, é possível perceber a origem geográfica, a idade, o sexo, a classe social etc. de alguém através da linguagem empregada por ele.

A marcação da alternativa b como correta indica uma apropriação equivocada do conceito de variante urbana de prestígio. Nesse caso, o professor deve remeter o aluno às discussões sobre variação para que ele perceba que esse conceito não pode ser aplicado à fala de grupos urbanos particulares como os jovens, que o caso da narradora.

A marcação da alternativa d indica que o aluno compreende de maneira equivocada o conceito de erro, falhando em perceber que a língua pode se apresentar de diversas maneiras. O professor deve remetê-lo à discussão acerca da inexistência de um modo único de usar a língua e da necessidade de saber adequar o uso aos contextos diversos. Caso essa marcação seja frequente na turma, cabe ao professor retomar a discussão coletivamente para esclarecer os equívocos.